Dick denuncia
Domingo, 07 Junho 2020 15:34

Uma galera que costumava subir aos palcos nos anos 80 e 90 para tocar rock resolveu fazer barulho de novo.

Juntaram-se após um café da manhã, compraram equipamentos, começaram a ensaiar e criaram a banda Nexxo.

Escrito por Redação com Assessoria
Uma galera que costumava subir aos palcos nos anos 80 e 90 para tocar rock resolveu fazer barulho de novo. Foto: Assessoria

Cinco dos seis músicos fizeram parte de bandas que marcaram época em Maceió, quando a cidade vivia a efervescência dos grupos que surgiram pós Rock in Rio, em 1985. O festival, que trouxe ao país Ozzy Osbourne, Whitesnake e Queem, foi o motor para a formação de um cenário roqueiro na cidade, vitaminado pelos festivais Rock S/A, que tinha à frente o cantor Osman, e o já lendário Atlantic Rock, que reuniu bandas de vários estilos durante dois dias em Jacarecica.

Aliás, rock, Jacarecica e uma longa amizade de quatro décadas são os pontos que unem os integrantes da Nexxo. Marcus Toledo (voz e violão) e Enio Bolivar (bateria) foram da banda Máfia Nordestina, a mais duradoura delas. David (baixo) foi da Segredo de Estado; Gaspar (voz), do Rock Postal; e J. Junior (guitarra) era da Necrotério, banda de rock pesado. Se juntou a essa turma de cinquentões Khristiano (tecladista), que ainda criança assistia no estúdio da casa 200 o ensaio das bandas.

 

A ideia de transformar a reunião de amigos em uma nova banda surgiu no final de 2018. A proposta era juntar músicos das bandas de Jacarecica pra tirar um som em alguma festa. Mas o projeto pegou corpo e se transformou na Nexxo baseado na experiência que a Máfia Nordestina viveu no final do ano 2000.

Naquele ano, a Máfia abriu um show do cearense Fagner em Maceió, e após a apresentação, entregou um kit com uma fita VHS contendo seis músicas. Algum tempo depois, um executivo da Sony ligou pedindo mais canções. A banda então entrou em estúdio, gravou 16 músicas e mandou o cd pra o Rio de Janero. Em seguida, recebeu novo telefonema com uma convocação: teria que ir à Sony para uma reunião com os executivos.

E assim aconteceu. Foram cinco horas de reunião, quando a banda conheceu todos os setores da gravadora. A sensação, ao final do encontro, foi de que, quase quinze anos depois do início, a Máfia seria finalmente contratada. Mas... por algum motivo, o contrato não foi assinado. A decepção, juntamente com o cansaço de tantos anos, motivou o fim da bandA.

Agora, quase 18 anos depois, a música está de volta à vida da galera. O novo projeto terá quatro clipes e um EP com sete músicas. As gravações contaram com a participação mais que especial de Alex Gouveia na bateria e Daniel Santa Ritta nos teclados. O material será encaminhado a músicos, jornalistas, produtores, estúdios e executivos. Se vai pintar Sony Music de novo? Quem sabe??!!

Acompanhe a banda:

https://www.facebook.com/bandanexo.oficial/

https://www.youtube.com/watch?v=Ckf_MylZx6I

Mídia

Primeiro Momento © 2013 - 2018 Todos os direitos reservados.