Secretaria de Segurança do Estado
Quarta, 11 Abril 2018 07:45

MP realiza operação contra desvios de dinheiro público e fraudes em licitações no interior de AL

Segundo o MP, ex-prefeito de Mata Grande desviou mais de R$ 12 milhões dos cofres públicos usando quatro empresas fantasmas para locação de veículos. Até as 6h30, três pessoas foram presas.

Escrito por Redação com G1
MP realiza operação contra desvios de dinheiro público e fraudes em licitações no interior de AL Presos estão sendo levados para a sede do Ministério Público (Foto: Heliana Gonçalves/TV Gazeta)

Três pessoas foram presas na manhã desta quarta-feira (11) em uma operação do Grupo de Ação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) contra uma organização criminosa envolvida desvio de recursos públicos, fraudes em licitações, corrupção e falsidade ideológica em Maceió, Santana do Ipanema Mata Grande e Paulo Jacinto.

No total, serão cumpridos sete mandados de prisões preventivas, mais cinco prisões temporárias, todas expedidas pela 17ª Vara Criminal da Capital, em desfavor do ex-prefeito José Jacob Gomes Brandão e mais onze pessoas envolvidas num esquema de corrupção que desviou mais de R$ 12 milhões dos cofres da prefeitura de Mata Grande usando quatro empresas fantasmas para locação de veículos.

Ainda não há informação se o ex-prefeito Jacob Brandão foi preso. A operação foi denominada de Ánomos, que significa um estado de sem ou regras.

Até a última atualização dessa reportagem, o G1 não conseguiu contato com o ex-prefeito de Mata Grande e com as empresas citadas nas fraudes.

No esquema criminoso, os supostos proprietários das empresas Genilda Gomes Lima- ME (Ômega Locações), EP Transportes, Transloc Locação e Serviços e Marcelo Calado dos Santos- EPP (Albatroz), todas de fachada, celebravam contratos fictícios com a prefeitura de Mata Grande para a prestação de serviços de locação de veículos com o intuito de desviar recursos públicos.

Segundo o MP, o desfalque feito nos cofres da prefeitura por Jacob Brandão, em dois anos, o equivalente a R$ 6 milhões, daria para efetuar a compra de pelo menos 130 veículos.

As empresas concorriam nas licitações, venciam, e depois sublocavam toda a frota exigida pela prefeitura a pessoas físicas, geralmente parentes e correligionários do prefeito. Nos contratos, ficava um percentual de 40% para o pagamento de quem sublocava os veículos e 60% eram divididos entre o prefeito, o dono da empresa e possíveis atravessadores.

As prisões preventivas foram expedidas em desfavor de Jacob Brandão, ex- prefeito de Mata Grande, Daniel Cunha Ramos (cunhado de Jacob), Max davi Moura Rodrigues, Clériston Marinho Buarque,Carlos Henrique Lisboa da Silva, Antônio José Bento de Melo,Euzébio Vieira de França Neto e Petrúcio José da Silva Filho.

Já as temporárias foram para Eustáquio Chaves da Silva Sobrinho (ex- diretor executivo da Câmara de Vereadores de Mata Grande), Emernegildo Ramalho Mota (controlador da empresa Transloc), Genilda Gomes Lima – Ômega Locação e Victor Pontes de Mendonça Melo, controlador da empresa Albatroz , preso pela terceira vez por fraude em licitação.

Participam da Operação o Batalhão de Operações Especiais (Bope), Radiopatrulha (RP) e o Serviço de inteligência do Ministério Público.

Primeiro Momento © 2013 - 2018 Todos os direitos reservados.