Dick denuncia
Sábado, 30 Maio 2020 20:34

MPF pede suspensão de norma que recomendou uso de cloroquina para covid-19

Escrito por Redação com Poder360
MPF pede suspensão de norma que recomendou uso de cloroquina para covid-19 Foto: Prefeitura de Suzano Caixas de hidroxicloroquina, remédio tradicionalmente usado para combater lúpus e artrite

Procuradores do MPF (Ministério Público Federal) de 4 Estados –São Paulo, Sergipe, Rio de Janeiro e Pernambuco– pediram a suspensão da nota informativa com orientações para o uso de cloroquina e hidroxicloroquina em pacientes com covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Eis o comunicado.

A recomendação do MPF foi encaminhada à 1ª Câmara de Revisão e Coordenação do Ministério Público Federal para ser enviada ao Ministério da Saúde. A nota informativa foi feita em 20 de maio.

Como justificativa, os procuradores afirmam que os medicamentos não são comprovadamente eficazes no tratamento da doença e podem prejudicar a saúde dos pacientes. Eles utilizaram como referência estudos que foram publicados na revista britânica The Lancet. A pesquisa foi feita em 6 continentes que abrangeu 96.032 pessoas infectadas.

“Além de não constatar benefício aos pacientes, o estudo verificou que o uso de cloroquina ou hidroxicloroquina com ou sem macrolídeo (antibiótico) está associado ao aumento das taxas de mortalidade e arritmias cardíacas em pacientes hospitalizados com covid-19”, disse o comunicado.

A OMS também suspendeu os ensaios clínicos que estavam sob sua coordenação em todo o mundo até a confirmação de que os medicamentos não são seguros para os pacientes.

Os procuradores também afirmaram que o governo federal não respeitou o processo legal de registro de medicamentos na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e de incorporação no SUS (Sistema Único de Saúde).

A Anvisa havia definido critérios e procedimentos extraordinários para medicamentos específicos para pessoas infectadas com coronavírus, incluindo regulamentação temporária de novas indicações terapêuticas para remédios já existentes.

“As duas substâncias ganharam aval da agência para o uso em pacientes graves por uso compassivo. O Ministério da Saúde, porém, expandiu a indicação para casos leves e moderados”, afirmou o MPF, declarando que a abordagem não atende aos critérios mínimos de segurança e eficácia e do monitoramento dos pacientes durante o uso.

Primeiro Momento © 2013 - 2018 Todos os direitos reservados.