Secretaria de Segurança do Estado
Paulo Tourinho

Paulo Tourinho

A tradicional Festa do Bom Despacho vai ficar na memória de todos os camaragibanos. Uma mistura de fé e devoção que emocionou a todos com a missa e procissão de Nossa Senhora das Candeias. Além também das atrações musicais que animaram o município.

Programação de sexta-feira (2) e sábado (3):

02/02 (Sexta-feira)

Festa Solene da

Programação de sexta-feira (2) e sábado (3):

02/02 (Sexta-feira)

Festa Solene da Padroeira de N. Sra. do Bom Conselho e Procissão

9h – Missa (celebrantes: bispo diocesano dom Valério Breda e bispo emérito de Sergipe, dom Hildebrando Costa)

Animação Litúrgica – Coral Vozes do Altíssimo

16h – Chegada da Cavalgada;

17h – Missa campal e procissão (celebrantes: padre Antenor Montenegro Jr. e padre Diego Luis)

Animação Litúrgica – Coral Vozes de Arapiraca

03/02 (Sábado)

20h – II Noite Oracional Hosana Arapiraca

Cantores da Canção Nova: Emanuel Estênio, André Florêncio e Juliana de Paula.

Local: Ginásio Municipal João Paulo II, bairro do Centro.

e Procissão

9h – Missa (celebrantes: bispo diocesano dom Valério Breda e bispo emérito de Sergipe, dom Hildebrando Costa)

Animação Litúrgica – Coral Vozes do Altíssimo

16h – Chegada da Cavalgada;

17h – Missa campal e procissão (celebrantes: padre Antenor Montenegro Jr. e padre Diego Luis)

Animação Litúrgica – Coral Vozes de Arapiraca

03/02 (Sábado)

20h – II Noite Oracional Hosana Arapiraca

Cantores da Canção Nova: Emanuel Estênio, André Florêncio e Juliana de Paula.

Local: Ginásio Municipal João Paulo II, bairro do Centro.

Pela primeira vez em seus 18 anos de história, o tradicional bloco Pinto da Madrugada sairá de seu habitual “galinheiro” em Maceió para poder ciscar um pouco na terra de Manoel André.

Neste sábado (27), ele vai abrir a 14ª edição do Folia de Rua — que este ano tem o lema “Arapiraca: Resgatando Tradições” —, o qual acontece mais uma vez no Bosque das Arapiracas, a partir das 16h, com muito frevo e animação.

Para o diretor do Pinto, é uma honra trazer o bloco para a segunda maior cidade de Alagoas. “É muito bonito ver que a alegria do Pinto da Madrugada está transcendendo os limites da capital. Será com certeza um encontro de gerações e de famílias, embaladas pelas marchinhas de Carnaval. Se brincar, a gente pode até realizar a união, o casamento entre o Pinto e A Pinta”, comenta ele, caindo na folia dentro dos estúdios midiáticos.

Ele assegurou que trará uma boa representação do bloco, com bonecos, estandartes e muita vibração. Segundo o presidente da LBA, Jessé Júnior, cerca de 80% das reservas dos hotéis de Arapiraca já foram feitas para o final de semana do Folia de Rua. A festa promete.

Em todo o País, milhões de crianças e adolescentes abandonam as escolas para trabalhar nas ruas, onde ficam totalmente vulneráveis, desprotegidas e expostas a violência, exploração sexual e, até mesmo, correm risco de vida. Durante o Carnaval, esta situação pode se agravar ainda mais.

Texto de Renata Bello

Para combater esses malefícios, o Governo de Alagoas por meio da Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social (Seades), com apoio do Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção ao Adolescente Trabalhador (Fetipat/AL) vai promover uma campanha de conscientização durante as festividades do carnaval nos 31 municípios que possuem Ações Estratégias do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (AEPETI). 

Durante o Carnaval serão distribuídos panfletos e fixados outdoors na capital e no interior com objetivo conscientizar e chamar a atenção da sociedade para este problema. Além disso, a campanha tem como foco divulgar o canal de denúncias, o Disque 100. A ligação é gratuita e pode ser feita de qualquer município. O atendimento funciona 24 horas, todos os dias da semana, com garantia de sigilo das informações e de quem faz a denúncia.

Segundo informações da Rede Peteca, projeto que visa à promoção dos direitos da criança e do adolescente e a erradicação do trabalho infantil no País a partir da comunicação, em 2016, o Departamento de Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos recebeu mais de 13.000 denúncias relacionadas a crianças e adolescentes durante o período de Carnaval, em todo o País.

A superintendente de Assistência Social, Elis Correia, explica que as ocorrências de trabalho infantis mais comuns durante este período são a venda de alimentos e bebidas, a vigilância de veículos e o carregamento de bagagem. “Se você compra algo de uma criança que trabalha na rua está ajudando a promover o trabalho infantil. Criança tem que brincar, se divertir, e ter uma só responsabilidade, que é estudar”, alerta.

“É importante lembrar que o Estatuto da Criança e do Adolescente proíbe o trabalho de crianças e adolescentes com menos de 14 anos e que, a partir dessa idade, elas podem trabalhar apenas na condição de aprendizes”, completou.

Em Alagoas, os municípios de Água Branca, Arapiraca, Canapi, Carneiros, Coruripe, Craíbas, Delmiro Gouveia, Estrela de Alagoas, Feira Grande, Girau do Ponciano, Igaci, Inhapi, Junqueiro, Maceió, Major Isidoro, Marechal Deodoro, Mata Grande, Olho D’Água das Flores, Olivença, Palmeira dos Índios, Pão de Açúcar, Penedo, Piranhas, Poço das Trincheiras, Santana do Ipanema, São José da Tapera, São Sebastião, Senador Rui Palmeira, Taquarana, Traipu e União dos Palmares, integram as ações estratégicas.

AEPETI

As Ações Estratégias do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (AEPETI) integram o Sistema Único de Assistência Social (Suas), que articula esforços intersetoriais e dos entes federados para a identificação e atendimento dos casos de trabalho infantil. Desde 2014, com a implementação do redesenho do PETI, passou a executar ações estratégicas estruturadas em cinco eixos: informação e mobilização, identificação, proteção, defesa e responsabilização e monitoramento para acelerar a erradicação do trabalho infantil no Brasil.

Avanços

Segundo o Mapa do Trabalho Infantil em Alagoas há 30.832 crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil. O número aponta que o Estado teve a segunda maior redução verificada em todo o Brasil comparando o ano de 2015 a 2004, quando havia 105.140 meninos e meninas trabalhando de forma exploratória.

Ainda de acordo com o levantamento, Alagoas é o Estado do Nordeste com menor índice de crianças e adolescentes ocupados com algum tipo de trabalho e o 5º menor do Brasil. Uma das fontes utilizadas é a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2015, versão mais recente. A ela, se combina a pesquisa O Trabalho Infantil nos Principais Grupamentos de Atividades Econômicas do Brasil, elaborada pelo Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (FNPETI

Uma forma lúdica e eficaz de resgatar a história das salas de exibição das cidades do interior do Brasil e, ao mesmo tempo, promover a inclusão social por meio do cinema. Esse é o roteiro do Cine Sesi, que desde 2002 democratiza o acesso à sétima arte pelo país. Só em Alagoas, o projeto já esteve em 87 cidades e atingiu um público de mais de 900 mil pessoas, em 11 edições. Agora, volta ao estado e estreia na próxima sexta-feira, dia 26 de janeiro, nas cidades de Paripueira, na Praça Padre Cícero, e em Ibateguara, na Praça Padre Francisco, com patrocínio do SESI Alagoas

Totalmente gratuito, o projeto já percorreu mais de 700 cidades e atingiu um público de mais de cinco milhões de pessoas em todo o Brasil. Gente que, na sua grande maioria, nunca tinha visto cinema na vida. A mostra itinerante desbrava as estradas dos estados brasileiros levando projeções de qualidade a céu aberto para regiões interioranas que não têm mais, ou nunca tiveram salas de exibição. “Em muitas dessas cidades, as novas gerações sequer viram o cinema funcionando. Quando nasceram, as salas já haviam se transformado em igrejas, academias de ginástica ou supermercados. O projeto resgata o vínculo dessas localidades com seus antigos cinemas”, diz Lina Rosa Vieira, curadora do Cine Sesi, iniciativa que em 2018 entra na sua 17ª edição e 16 anos de atividade. Outro foco importante são as oficinas de animação e palestras temáticas que acontecerão nas cidades de Traipu e União dos Palmares, de 26/02 a 03/03 e 05/03 a 10/03, respectivamente. O resultado poderá ser visto na grande tela nos dias de exibição do projeto.

O Cine SESI dá preferência a pequenos municípios, e as exibições – em telão de altíssima definição e som no mesmo padrão, acontecem sempre em local de grande circulação. No final de semana, a produção prepara um espaço todo especial, com cadeiras, tapete vermelho e, claro, pipoca quentinha. Tudo de graça. Alguns moradores privilegiados se dão ao luxo de assistir aos filmes da calçada de casa.

Lina Rosa aponta que outro foco importante do projeto são os alunos da rede pública. “Há um trabalho junto às escolas para que a ida ao cinema ao ar livre se transforme numa aula de campo”, diz. “Para ser trabalhada em sala de aula de modo multidisciplinar, o que acontece por meio de um manual pedagógico sugerido pelo projeto, focado em um dos longas exibidos”, complementa.

O Cine SESI também se destaca pelo cuidado com a acessibilidade. As pessoas com deficiência auditiva são contempladas por legendas nos longas-metragens; enquanto voluntários para fazer audiodescrição também estarão disponíveis para atender pessoas com deficiência visual que forem ao cinema. O acesso para cadeirantes e pessoas com dificuldade de mobilidade também é facilitado.

FILMES

Além das animações produzidas pelos alunos das oficinas de Alagoas, a programação de 2018 conta com os curtas-metragens “Até o Sol Raiá”, de Fernando Jorge e Leandro Amorim; “Guida”, de Ricardo Machado e Rosana Urbes; e "Salu e o Cavalo Marinho", de Marcos Buccini e Cecilia da Fonte. Os longas-metragens “O Menino no Espelho”, de Guilherme Fiuza Zenha; “O Filho Eterno”, de Paulo Machline; e a animação da Disney “Zootopia”, dos diretores Rich Moore e Byron Howard também estão no roteiro da telona do Cine Sesi.

O MENINO NO ESPELHO O longa-metragem é baseado no livro homônimo de Fernando Sabino. A direção é de Guilherme Fiúza Zenha, autor do livro Meu Nome Não é Johnny. O protagonista é interpretado por Lino Facioli. Aos 10 anos, Fernando está cansado de fazer as tarefas chatas da vida. Seu sonho era ter clone, para que ele pudesse aproveitar o lado bom da vida, enquanto seu sósia cuidasse das tarefas. Um dia, é exatamente isto que acontece, quando o reflexo de Fernando deixa o espelho e ganha vida. O elenco ainda conta com Giovanna Rispoli, Mateus Solano, Regiane Alves, Ricardo Blat, Gisele Fróes, Laura Neiva, Murilo Quirino, Ravi Hood, Murilo Quirino e Ravi Hood.

 

Página 1 de 4
Primeiro Momento © 2013 - 2018 Todos os direitos reservados.