Secretaria de Segurança do Estado

Faltando poucos dias para a Semana Santa, muitas pessoas mantêm a tradição de comer pescado, crustáceos e moluscos nos almoços em família. Frescos, congelados ou salgados, o importante é adquirir produtos saudáveis. Deste modo, para garantir uma boa compra e, sobretudo, preservar a saúde e segurança alimentar, o gerente de Vigilância Sanitária Estadual, Paulo Bezerra, dá dicas importantes na hora de escolher os produtos que vão à mesa.

De acordo com ele, é fundamental que o consumidor compre apenas em estabelecimentos limpos, com os atendentes uniformizados e que os pescados estejam expostos em recipientes de aço inoxidável, visto que o material conserva melhor o gosto e o odor natural dos peixes. Os pescados frescos e resfriados devem ficar entre 5° e 8°C, haja vista que os balcões dos estabelecimentos devem trazer a indicação da temperatura interna. O consumidor precisa observar também se os produtos estão livres de contaminantes, como areia, plásticos, sabão e moscas.

“Peixes frescos têm olhos brilhantes e salientes. As escamas devem ser unidas entre si e fortemente aderidas à pele. As guelras têm que possuir coloração que vai do rosa ao vermelho intenso, ser vívidas e sem viscosidade. O odor do peixe é característico, mas não pode, em hipótese alguma, ser repugnante”, explicou, ao acrescentar que, se o consumidor adquirir o pescado inteiro, o ideal é que o vendedor retire as vísceras antes de levar o produto para casa.

No geral, a barriga do peixe fresco é flexível. Como o consumidor não pode sair apertando os peixes em exposição, a dica é tocar levemente e observar. Se a barriga voltar ao normal, é um peixe fresco; contudo, se ficar com a marca do dedo, não é.

Em alguns casos de adulteração dos pescados, dá para observar uma cor saindo no gelo, o que pode demonstrar que tem corante no peixe. Isso tudo só é descoberto em laboratórios específicos, então cabe ao consumidor questionar. Segundo Paulo Bezerra, os locais precisam ter as fichas de identificação das origens dos produtos.

“No caso dos pescados congelados, é importante observar o que informa o fabricante na embalagem. No freezer do supermercado, não devem existir poças de água ou alimentos molhados, pois são sinais de que o equipamento foi desligado ou teve a temperatura reduzida”, alertou.

Já os pescados secos, como bagre, sardinha, manjuba, merluza, corvina e curimba, devem estar armazenados em local limpo, protegidos de poeira e insetos. É necessário comprovar a ausência de mofo, ovos, larvas de moscas, limosidade superficial, amolecimento, manchas escuras ou avermelhadas, tampouco apresentar odor desagradável.

Bacalhau 

A armazenagem incorreta do bacalhau pode resultar na perda da umidade, devido ao calor excessivo. Por isso, as peças que apresentarem manchas vermelhas e bolor devem ser descartadas. O consumidor também precisa verificar se há presença de limosidade na superfície ou amolecimento da carne. Geralmente, o odor é desagradável. Esses são sinais de que o produto está em processo de deterioração.

“Se o couro do bacalhau estiver úmido e soltar com facilidade, ele não recebeu a boa salga e, portanto, não deve ser comprado. O bacalhau que apresenta manchas com coloração cinza, indica contaminação por fungos, enquanto tonalidade avermelhada, sinal de bactérias e estado de putrefação”, orientou.

Assim com os pescados, o camarão é outro produto bastante consumido durante a Semana Santa. O cheiro natural e a casca brilhante indicam frescor. O especialista afirma que a qualidade do crustáceo, independente do tipo, está quase sempre relacionada a alguns detalhes de como ele está por fora.

“É preciso observar a cabeça e o rabo, que devem estar bem firmes à carne. A carapaça deve estar aderente à pele. Se tiver manchas escuras ou amareladas, é porque esse camarão não está mais tão bom para o consumo. Na forma fresca, o crustáceo deve estar envolto em gelo, para evitar sua deterioração”, recomendou.

Já para ver a qualidade do sururu, é preciso verificar a cor, que não deve ter um amarelo desbotado e fazer a pressão no molusco com o dedo indicador e polegar, para verificar sua maciez. Isso porque, quando ele possui uma cor amarelo intenso, é fruto de corantes e deve ser evitado.

Em Cidades

A Comissão Especial de Licitações da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) iniciou, nesta quinta-feira (1º), o processo licitatório para a construção de duas novas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) em Maceió. Os novos equipamentos de saúde, que irão assegurar atendimento intermediário entre atenção básica e a alta e média complexidades, serão localizados nos bairros Jacintinho e Tabuleiro do Martins.

Pela primeira vez, o processo licitatório foi realizado pela Sesau, de forma eletrônica, e ocorreu na própria sede do órgão. Isso porque, anteriormente, eram realizadas pela Comissão Permanente de Licitação (CPL) da Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinfra).

De acordo com Washington Luiz Costa Júnior, presidente da Comissão Estadual de Licitação do Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC), o processo ocorre por meio da nova ferramenta eletrônica no Sistema de Compras do Governo Federal, o portal Comprasnet.

Por meio do dele, a população alagoana pode acompanhar a realização de processos eletrônicos de aquisições e disponibilização de informações referentes às licitações e contratações promovidas pelo Governo.

“Com essa modalidade é possível que a consulta seja feita de forma eletrônica, que traz maior transparência, e permite à sociedade acompanhar todo o processo de licitação pelo computador. Mediante esta ferramenta, ela vai poder colaborar com o controle das ações do Governo, no intuito de checar se os recursos públicos estão sendo usados como deveriam”, informou o presidente.

Segundo Washington Luiz Costa Júnior, o objetivo é que, até o final da próxima semana, os processos licitatórios sejam finalizados para, posteriormente, encaminhá-los à Procuradoria-Geral do Estado (PGE). O órgão irá validar a documentação e autorizar a contratação da empresa vencedora.

“Essa comissão foi criada pelo governador Renan Filho justamente para dar uma celeridade ainda maior a essas licitações, uma vez que a população maceioense precisa de serviços de saúde públicos qualificados, tais como as UPAs e hospitais. E, claro, isso não seria possível sem o apoio do secretário de Estado da Saúde, Christian Teixeira, e do secretário executivo de Gestão Interna, Delano Sobral Rolim”, frisou.

Conforme o assessor de Engenharia da Sesau, Guilherme Soares, após a assinatura da ordem de serviço, pelo governador Renan Filho e o secretário Christian Teixeira, a construção das duas unidades será realizada simultaneamente.

As UPAs serão do tipo III e vão ter capacidade para atender até 350 pacientes por dia, nas áreas de clínica geral, pediatria, ortopedia e odontologia. As UPAs do Jacintinho e Tabuleiro do Martins disporão do serviço de classificação de risco, sala de nebulização, consultórios, sala de gesso, laboratório, exames de raios-x e eletrocardiograma.

As UPAs funcionarão 24 horas por dia, sete dias por semana e poderão resolver grande parte das urgências e emergências, como pressão e febre altas, fraturas, cortes, derrame e infarto.

“Essa é uma das medidas que o governador do Estado tem colocado no seu cronograma da gestão, ao trazer inúmeros benefícios na área de saúde aos alagoanos, principalmente para a capital, onde a demanda por atendimento é muito grande. Com a construção dessas UPAs temos a certeza que o fluxo do Hospital Geral do Estado [HGE] vai diminuir”, afirmou.

Em Cidades

Mostrar para crianças e adolescentes a importância do trabalho desenvolvido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Alagoas. Essa será a missão dos 66 novos acadêmicos selecionados para o projeto Samu nas Escolas, durante o ano de 2018. Trezentos e oito alunos dos cursos de Medicina, Enfermagem e Serviço Social da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) participaram do processo de seleção.

Ao longo do primeiro semestre deste ano, os acadêmicos passarão por 18 instituições de ensino, entre escolas municipais, estaduais e particulares, para conversar com os jovens sobre o funcionamento dos serviços do Samu. Eles também irão alertar sobre os prejuízos que os trotes podem causar. A primeira ação acontece na sexta-feira (9), a partir das 8h, no colégio Santíssimo Senhor, no bairro José Tenório, em Maceió.

Segundo Ana Tojal, coordenadora do Samu nas Escolas, os novos integrantes passarão por uma rápida capacitação no sábado (3), para aprender como é a dinâmica do projeto de extensão, que acontece em parceira com a Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Eles ainda serão auxiliados por oito acadêmicos que possuem a experiência de edições passadas no projeto.

“Os universitários que estão chegando ao projeto devem passar para as crianças e adolescentes as orientações de maneira lúdica, utilizando encenações, brincadeiras e jogos. E assim, por meio dessa interação com o público, queremos que eles assimilem, facilmente, as informações que são passadas”, afirmou Ana Tojal.

Nas ações, os alunos também aprendem algumas noções de primeiros socorros, que devem ser utilizados em situações com vítimas de choque elétrico, quedas, engasgos, queimadura e desmaios.

Para o major Dárbio Alvim, supervisor do Samu, o número de inscrições registradas este ano mostra a importância da instituição e a vontade desses estudantes em contribuir com o Samu.

“Esse projeto tem se mostrado extremamente importante, porque conseguimos conscientizar as crianças e adolescentes, principal grupo a passar trotes para o 192. O Samu nas Escolas ainda vai além, ao conseguir com que esses jovens consigam reproduzir as informações de forma correta dentro de casa, na vizinhança e com outros amigos. É assim que iremos mudar a atual realidade, que mostra um grande número de trotes”, destacou Dárbio Alvim, ao ressaltar que, em 2017, de todas as ligações recebidas pelo Samu Alagoas, 67% foram trotes.

Causa Nobre

Umas das selecionadas para participar do projeto foi a acadêmica do 4º período de Medicina da Ufal, Alana Oliveira Francelino, 21 anos. Ela ressaltou que ficou interessada em participar do projeto de extensão após tomar conhecimento da quantidade de trotes passados para o número 192.

“O que me chamou a atenção para fazer parte do Samu nas Escolas foi o fato de o trabalho desenvolvido ser por uma causa nobre: reduzir os trotes recebidos diariamente. Eu espero conseguir conscientizar os pequenos sobre as consequências desse tipo de ligação, alertando que isso pode tirar o socorro de uma pessoa que está precisando de verdade”, destacou a acadêmica.

As ações do projeto acontecem todas as sextas-feiras, nos períodos da manhã e da tarde. As instituições que tiverem interesse em receber a equipe do Samu nas Escolas, devem entrar em contato com o Serviço Social do Samu Maceió, por meio do telefone (82) 3315- 1165.

Em Cidades

O que você faria se um familiar começasse a apresentar problemas cardiorrespiratórios ou se um colega de trabalho estivesse com sintomas de um Acidente Vascular Encefálico (AVE) ou infarto? Em situações como esta, o correto é ligar para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que pode ser acionado por meio do telefone 192.

O serviço também deve ser acionado em casos de acidente de trânsito, engasgos, crises hipertensivas, afogamento, choque elétrico e queimaduras graves. Também é possível acionar o Samu em casos de trabalhos de parto, com risco de morte para a mãe ou para o bebê, e em situações de fortes hemorragias, como, ocorre com os feridos por armas de fogo e branca.

Entretanto, no momento de ligar para o Samu, é necessário que o solicitante esteja de posse de informações básicas sobre o estado de saúde da vítima a ser socorrida. Isso porque, segundo o Maxwell Padilha, coordenador médico da Central Maceió, as informações passadas pelo solicitante e a gravidade da vítima serão decisivas para o médico triador definir se envia ao local da ocorrência uma Unidade de Suporte Básico (USB), Unidade de Suporte Avançado (USA), o Serviço de Motolância ou até mesmo o Samu Aeromédico.

“Em situações extremas, onde o paciente foi encontrado desacordado, geralmente, enviamos de imediato o Serviço de Motolância, que chegará rapidamente ao local para fazer os primeiros atendimentos e tentar reverter o quadro. Posteriormente, a USA se desloca para fazer o transporte para a unidade hospitalar de referência”, exemplificou.

Foi o que fez a auxiliar técnica Nadilene Oliveira da Silva, que acionou o Samu quando viu a avó, de 97 anos, passar mal. “Devido à idade, ela começou a apresentar dificuldades para respirar e ficou desidratada, porque não estava se alimentando direito. Fiquei achando que ela iria morrer. Então liguei para o Samu, que mandou uma ambulância até minha casa e a levou para o hospital”, contou a auxiliar técnica.

Atenção Básica

No entanto, não há indicação de acionar o Samu quando o paciente estiver com uma pequena alteração na glicemia ou na pressão arterial, com sintomas de gripe, diarreia, febre baixa, dores articulares ou sofrer um acidente com animais peçonhentos. Nestes casos, ele deve se dirigir até um posto de saúde municipal, Unidade de Pronto Atendimento (UPA) ou um Ambulatório 24 Horas.

Em Maceió, os Ambulatórios 24 Horas são o Assis Chateaubriand, no Tabuleiro do Martins; Denilma Bulhões, no Benedito Bentes; João Fireman, no Jacintinho; Dom Miguel Câmara, na Chã da Jaqueira; e Noélia Lessa, na Levada.

De acordo com o supervisor do Samu, major Dárbio Alvim, foram registradas 59.897 chamadas no mês passado, sendo 39.861 para a Central Maceió e 20.036 para Central Arapiraca. No mesmo período, em janeiro de 2017, foram 66.658 para o sistema 192, com a Central Arapiraca recebendo 18.684 ligações e a Maceió 47.974.

“Com o passar do tempo, notamos que a população está aprendendo em que situações deve ser acionado o serviço do Samu, que funciona 24 horas por dia, nos sete dias da semana. Nos casos de urgência e emergência, a assistência deve ser prestada no menor tempo possível para que mais vidas possam ser salvas”, disse.

Trotes

O supervisor ainda faz um apelo à população alagoana sobre as consequências do trote. “Para o Samu prestar assistência em um tempo resposta eficiente, a sociedade deve ter consciência de que os trotes prejudicam os nossos atendimentos, ao congestionar as linhas com esse tipo de brincadeira de mau gosto”, alertou o major Dárbio Alvim.

Só para se ter ideia, em janeiro de 2018, o Samu Alagoas recebeu 37.330 trotes, sendo 24.572 para a Central Maceió e 12.758 para a Central Arapiraca. No primeiro mês do ano passado, os trotes totalizaram 46.624 para o número 192 em Alagoas, com 33.291 chamadas para o Samu Maceió e outras 13.333 para Arapiraca.

Em Cidades

Banner%5d Febre Amarela VerdadeMito-01

A transmissão de febre amarela se dá apenas por meio da picada de mosquito. Os macacos são, assim como os humanos, apenas hospedeiros do vírus e servem como indicador da presença da doença em uma região. Eles não devem, em hipótese alguma, ser mortos pela população. Caso um macaco morto ou doente seja encontrado, o cidadão deve informar ao serviço de saúde de sua cidade ou estado pelo telefone 136.

Banner Febre Amarela Verdade Mito-02

Apenas a picada dos mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes transmitem o vírus em áreas silvestres. Nas áreas urbanas, o Aedes aegypti (o mesmo que transmite dengue, zika e chikungunya) é o transmissor. Não existe contaminação entre humanos ou por meio de outro animal, como o macaco.

Banner Febre Amarela VerdadeMito-03

Desde 2017, o Ministério da Saúde segue a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e indica apenas uma dose da vacina, válida por toda a vida. Mesmo durante surtos, não é indicado se vacinar mais de uma vez contra a doença, já que isso não vai deixar a pessoa mais protegida.

Banner Febre Amarela VerdadeMito-04

A vacinação fracionada apresenta, de acordo com o Ministério da Saúde, a mesma eficácia que a dose única padrão. A proteção é de, pelo menos, oito anos. O fracionamento é recomendado pela OMS quando há aumento na morte de macacos e de casos da febre amarela silvestre e risco de expansão da doença em cidades com índice populacional alto.

Banner Febre Amarela VerdadeMito-05

Divulgada em aplicativos de mensagem, a informação de que tomar própolis afasta os mosquitos é falsa. Para evitar as picadas, o recomendado é utilizar roupas de manga longa e repelentes liberados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), além de instalar telas de proteção em portas e janelas. Também se certifique de que não há água parada em casa, possível criadouro dos mosquitos.

Banner Febre Amarela VerdadeMito-06

A vacina é eficaz e segura. A vacinação não é indicada apenas para pessoas com alergia grave ao ovo; portadores de doença autoimune; crianças menores de seis meses; pessoas que vivem com HIV/Aids (com contagem de células CD4 menor que 350 células/mm3); e pacientes de quimioterapia/radioterapia.

Banner Febre Amarela VerdadeMito-07

A vacina não é indicada às gestantes, mas é preciso avaliar os riscos e benefícios junto ao serviço de saúde caso a mulher esteja em local com surtos, epidemias ou vá viajar para área com risco. Da mesma forma, mulheres que amamentam bebês maiores de 6 meses de idade podem ser vacinadas, dependendo do local onde estejam. Mães de bebês com menos de 6 meses devem evitar a vacinação.

Banner Febre Amarela VerdadeMito-08

Não há registro de febre amarela urbana no Brasil desde 1942. Moradores de áreas rurais ou mata, ou viajantes que pretendem visitar esses lugares, devem tomar a vacina.  

Em Cidades

Com a chegada do carnaval, época de festas tradicionais em todo País, muitas pessoas acabam exagerando e se expondo ao sol em excesso. E para garantir que a animação não traga consequências negativas, a dermatologista da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) Cleide Vieira recomenda que os foliões abusem do protetor solar e consumam muito líquido.

Isso porque, segundo Cleide Vieira, a exposição excessiva aos raios solares podem trazer sérias consequências, encerrando prematuramente a festa ou deixando o folião doente após o feriadão.

“As altas temperaturas podem levar a casos de desidratação, ocasionando sintomas como tonturas, perda de sentido e vômitos. A desidratação pode ser grave, principalmente em crianças e idosos”, explicou.

Cleide Vieira ressaltou que o consumo em excesso de bebidas alcoólicas também pode contribuir para a desidratação do organismo. “Deve-se consumir água. As bebidas alcoólicas passam uma falsa sensação de hidratação. A sede passa, mas o corpo não está devidamente hidratado. Por isso, é importante o consumo de água regularmente”, alertou.

Alimentação

Outra recomendação importante é sobre a alimentação saudável. A médica lembrou que frutas e legumes devem ser consumidos durante os festejos. “Uma alimentação balanceada ajuda a dar mais energia e pode diminuir os efeitos danosos do álcool, que geralmente é consumido nesta época”, destacou.

Outro alerta importante feito pela médica da Sesau diz respeito ao cuidado dos banhistas em locais desconhecidos. “Existem muitos casos de afagamento em que turistas decidem se banhar em regiões que não estão familiarizadas. É sempre importante buscar informações sobre os locais próprios para o banho”, reforçou.

Cleide Vieira salientou, ainda, a importância do uso do protetor solar para prevenção de problemas graves, a exemplo das queimaduras. Mas além do ardor na pele, os foliões desavisados podem terminar a folia de momo com manchas na pele, envelhecimento precoce e, principalmente, câncer de pele.

“É necessário evitar a exposição ao sol entre as 10h e 15h, além de utilizar protetor solar que tenha, no mínimo, fator 30. O protetor deve ser reaplicado a cada duas horas e sempre que houver contato com a água”, orientou a dermatologista.

Em Cidades

A Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal) abriu inscrições, nesta sexta-feira (26), para o curso preparatório MedEnsina. São ofertadas 100 vagas para estudantes que concluíram ou estão concluindo o ensino médio em escolas da rede pública, da rede particular (na condição de bolsista integral), da Educação de Jovens e Adultos ou de supletivos.

Os interessados devem se inscrever até o dia 23 de fevereiro, por meio do endereço eletrônico https://www.doity.com.br/selecao-medensina2018.

O processo seletivo será composto por uma prova com 50 questões de múltipla escolha, de caráter eliminatório e classificatório. A prova será baseada nos conteúdos correspondentes à grade do ensino médio, divididos em quatro eixos do conhecimento: Linguagens e suas tecnologias, Matemática e suas tecnologias, Ciências da Natureza e Ciências Humanas.

A prova deve ser realizada a partir das 8h do dia 25 de fevereiro, no prédio-sede da Uncisal, que fica no Trapiche da Barra, em Maceió. Segundo o edital, se a quantidade de inscritos ultrapassar o número de acomodações existentes, será disponibilizado mais um local para a aplicação da prova, que deverá ser divulgado por meio do site da universidade (www.uncisal.edu.br).

O resultado do processo seletivo será divulgado no dia 2 de março, observando os seguintes critérios: 80 vagas serão destinadas para alunos de escolas públicas; 10 vagas serão reservadas para funcionários e filhos de funcionários da Uncisal; e outras 10 vagas reservadas para alunos bolsistas integrais em escolas particulares.

De acordo com o pró-reitor de Extensão da Uncisal, George Souza, a grande novidade do projeto este ano é a maior oferta de vagas. “Nós decidimos dobrar o número de vagas, na comparação com o ano passado, porque reconhecemos a importância do programa para a comunidade. Esse é um projeto que deu certo e que merece ser ampliado”, explica o gestor.

MedEnsina

O MedEnsina é um projeto de extensão Uncisal que consiste em um curso pré-vestibular destinado a estudantes que concluíram ou estão concluindo o ensino médio em escolas da rede pública e da rede particular (na condição de bolsista integral).

Em Cidades
Primeiro Momento © 2013 - 2018 Todos os direitos reservados.