Secretaria de Segurança do Estado

A Prefeitura Municipal do Passo de Camaragibe realizou seis dias de festa para a celebração do Carnaval no município, que teve inicio na quinta-feira (8) com o Concurso Bumba Meu Boi.

O Passo Folia atraiu moradores locais e foliões de municípios vizinhos, aquecendo o turismo e a economia da cidade. Entre as atrações estiveram artistas regionais de variados estilos musicais, para agradar a todos os gostos.

Alem das atrações musicais, vários blocos que se apresentaram no Centro e na Barra de Camaragibe foram pontos altos dos dias de folia. Moradores e turistas de vários estados brasileiros aproveitaram a animação e o clima de paz para curtir as marchinhas, o samba e o repicar dos tamborins e da bateria que ecoavam por toda a cidade.

Pensando na tranquilidade de todos os camaragibanos e visitantes, a Prefeitura montou também uma estratégia que contou com a participação das Secretarias de Turismo, de Saúde, Trânsito e Limpeza, além da Secretaria de Segurança Pública que trabalhou apoiando as Polícias Civil e Militar. Como também com o trabalho dos Bombeiros Civis.

No quesito limpeza, Passo também obteve nota 10. As equipes trabalharam durante todos os dias de festa e previamente recolhendo e limpando toneladas de lixo, como por exemplo a varrição nas ruas e nas praias.

"Aqui no Passo a festa ja começou no dia 08, com o Concurso do Bumba Meu Boi. Além disso teve muito bloco na rua e festa na cidade e na Barra de Camaragibe que foi para ninguém ficar de fora. O carnaval é uma festa tradicional e importante para a cultura e a economia da cidade. Foi mais um evento com a organização e segurança que já viraram marca da nossa gestão. E no dia 17 ainda tem a ressaca do carnaval. É muita folia no Passo", ressaltou a prefeita Vania Câmara que convida a todos para participarem do Bloco Tudo Azul, representando a Ressaca do Carnaval, no dia 17.

Com a chegada do carnaval, época de festas tradicionais em todo País, muitas pessoas acabam exagerando e se expondo ao sol em excesso. E para garantir que a animação não traga consequências negativas, a dermatologista da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) Cleide Vieira recomenda que os foliões abusem do protetor solar e consumam muito líquido.

Isso porque, segundo Cleide Vieira, a exposição excessiva aos raios solares podem trazer sérias consequências, encerrando prematuramente a festa ou deixando o folião doente após o feriadão.

“As altas temperaturas podem levar a casos de desidratação, ocasionando sintomas como tonturas, perda de sentido e vômitos. A desidratação pode ser grave, principalmente em crianças e idosos”, explicou.

Cleide Vieira ressaltou que o consumo em excesso de bebidas alcoólicas também pode contribuir para a desidratação do organismo. “Deve-se consumir água. As bebidas alcoólicas passam uma falsa sensação de hidratação. A sede passa, mas o corpo não está devidamente hidratado. Por isso, é importante o consumo de água regularmente”, alertou.

Alimentação

Outra recomendação importante é sobre a alimentação saudável. A médica lembrou que frutas e legumes devem ser consumidos durante os festejos. “Uma alimentação balanceada ajuda a dar mais energia e pode diminuir os efeitos danosos do álcool, que geralmente é consumido nesta época”, destacou.

Outro alerta importante feito pela médica da Sesau diz respeito ao cuidado dos banhistas em locais desconhecidos. “Existem muitos casos de afagamento em que turistas decidem se banhar em regiões que não estão familiarizadas. É sempre importante buscar informações sobre os locais próprios para o banho”, reforçou.

Cleide Vieira salientou, ainda, a importância do uso do protetor solar para prevenção de problemas graves, a exemplo das queimaduras. Mas além do ardor na pele, os foliões desavisados podem terminar a folia de momo com manchas na pele, envelhecimento precoce e, principalmente, câncer de pele.

“É necessário evitar a exposição ao sol entre as 10h e 15h, além de utilizar protetor solar que tenha, no mínimo, fator 30. O protetor deve ser reaplicado a cada duas horas e sempre que houver contato com a água”, orientou a dermatologista.

Em Cidades

As operações da Lei Seca realizadas na segunda-feira (12) nas cidades de Murici e São José da Laje, região norte de Alagoas, flagraram 17 pessoas conduzindo veículos automotores sem habilitação.

Na ocasião, duas pessoas ainda foram presas por embriaguez ao volante e outras nove autuadas por conduzirem veículos sob a influência de álcool.

Com 190 veículos abordados, foram gerados 50 autos de infrações após flagrantes de irregularidades no trânsito.

As operações da Lei Seca têm como objetivo reduzir o número de acidentes de trânsito através de ações de ficalização.

Para otimizar o intenso fluxo de veículos durante o período de Carnaval, a Secretaria de Transporte e Desenvolvimento Urbano (Setrand) inicia, a partir desta terça-feira (6), a readequação no trânsito em Jacarecica. O local, situado na rodovia AL-101 Norte, é um dos maiores pontos focais de tráfego durante o feriadão e principal via de ligação entre a capital Maceió e o Litoral Norte.

Durante o percurso, os motoristas contarão com a ajuda de sinalização indicativa ao longo do trecho que sofrerá alteração. Para reforçar a fiscalização e monitoramento dos veículos durante o Carnaval, equipes do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e do Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran) estarão das 8h às 18h na região coordenando o tráfego local.

Confira as mudanças:


Litoral Norte - Centro: O motorista que sair do Litoral Norte para Avenida Comendador Gustavo Paiva, em direção ao Centro, voltará a usar toda a extensão da via, sem precisar passar por baixo do viaduto para seguir viagem, como acontecia anteriormente. 


Litoral Norte - Pierre Chalita: Já o condutor que deseja ir em direção à Avenida Pierre Chalita, agora passará pela via liberada em frente ao Motel Ceqsabe, anteriormente interditada. 

Centro – Litoral Norte/Pierre Chalita: Os trajetos para quem sai do Centro em direção ao Litoral Norte ou à Avenida Pierre Chalita não serão alterados.

Ou seja, no sentido Centro – Litoral Norte, o condutor segue pela AL-101 Norte, sem qualquer interferência no percurso. Da mesma forma, sem alterações, o condutor que vier do Centro em direção à Avenida Pierre Chalita, seguirá fazendo o percurso já conhecido, por baixo do viaduto.

 

Pierre Chalita - Centro:  O motorista que desce a Avenida Pierre Chalita em direção ao Centro não terá o percurso alterado. Esse deverá virar à direita e seguir pela via que passa em frente ao Conjunto Alfredo Gaspar de Mendonça.

Pierre Chalita - Litoral Norte: já o motorista que vai da Pierre Chalita em direção ao Litoral Norte agora irá passar por baixo de viaduto e seguir seu percurso pela AL-101 Norte.  

Rua Fiscal Vieira Mello Queiroz e Rua Henry V. Vieir


Outra alteração acontecerá na Rua Fiscal Vieira Mello Queiroz, que liga a via litorânea a AL-101 Norte. Ela será interditada e seu uso será liberado apenas para moradores, como já vem acontecendo na Rua Henry V. Vieira.

AL-105: mais uma opção

Mais uma alternativa viária para quem deseja seguir para o Litoral Norte é a rodovia AL-105. Neste ponto, equipes do DER e do BPTran também estarão na região para intensificar o policiamento e conseqüentemente garantir mais segurança viária dos trajetos à população.

Em Cidades

A 14ª edição do Folia de Rua, tradicional prévia carnavalesca de Arapiraca, fez jus aquela frase que diz que o carnaval é a festa mais democrática do Brasil. Isso porque este ano o prefeito Rogério Teófilo tomou a iniciativa de resgatar blocos antigos da capital do Agreste, que há muitos anos não desfilavam, e colocou na avenida, nesse sábado (27), o novo, o velho, a criança e o adolescente, tudo junto e misturado.

 

Com o tema “Arapiraca: resgatando tradições”, os blocos Zum Zum, A Pinta, Bandinha do Dedé e Tengo Tengo saíram à frente do desfile, junto com o Pinto da Madrugada, puxando os foliões dos outros 14 blocos. Tudo supervisionado pela Polícia Militar, guardas da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT), seguranças municipais e Corpo de Bombeiros, garantindo assim a segurança da população.

“Trazer a família para a rua, esse é o meu objetivo desde o primeiro momento, então o que estamos vendo aqui hoje é justamente isso, um resgate da cultura arapiraquense, com a família participando, brincando o carnaval, é isso que Arapiraca quer e é que o governo municipal quer fazer”, disse Rogério.

E pelo que pôde perceber, conversando com os foliões, eles querem realmente isso, pular carnaval ao lado da família, independente da idade. Prova disso é Maurício Fernandes, prestes a completar 70 anos, que disse estar muito contente por poder rever “esta maravilha que eram os blocos carnavalescos de rua”.

Ele é integrante do bloco “A Pinta”, fundado em 1967, que segundo o presidente do bloco, Lula Mendes, foi o que deu origem a outros blocos. Inclusive, o próprio Rogério saía neste bloco. Como é possível ver nas imagens abaixo:

           

Já a Bandinha do Dedé, que leva o nome do seu fundador, já falecido, começou só com homens, também no ano de 1967, mas depois convidou algumas mulheres e foi crescendo.

Este ano, Carlos Leão, que esteve responsável por resgatar o bloco, disse que só não aceitou o convite de voltar a desfilar quem já partiu, mas a grande maioria marcou presença e quem não pôde, por motivo de doença ou viagem, mandou filhos e netos. Passando assim de geração para geração.

A abelha, com seu Zum Zum, músicas e batidas próprias, fundado por João Nascimento, falecido há dois anos, era uma animação só. “Os velhos estão doidos para pular”, disse o jornalista Eli Mário, responsável pelo bloco, minutos antes da largada.

E estavam mesmo, até porque os integrantes do Zum Zum estão acostumados com uma verdadeira maratona, pois de acordo com o folião Cícero Brito, nos antigos carnavais eles começavam às 9h da manhã e só terminava doze horas depois, sempre com muita alegria e entusiasmo. Ou seja, disposição eles têm de sobra.

O folião Cícero Brito, feliz da vida.

Tem também o Tengo Tengo, que carrega o sol do abaeté no peito. Ele foi fundado em 1972 e foi o bloco que ganhou o cinquentenário de Arapiraca, além de outras vitórias, as quais Carlos Cajueiro recorda cheio de saudosismo.

 

 

Na ultima quarta-feira (24), o Ministério Público do Estado de Alagoas (MPE/AL), por meio da Promotoria do Consumidor, em Arapiraca, reuniu representantes de órgãos municipais e da Secretaria de Segurança Pública (SSP), além da Liga dos Blocos, para a assinatura do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) que tem como intento garantir a paz nas prévias e no período carnavalesco naquele município. O documento tem 29 cláusulas com obrigações individualizadas, cujo cumprimento será acompanhado pelo promotor de Justiça, Saulo Ventura.

O evento ocorre de 27 a 29 deste mês e segue a programação dos blocos com cronograma já oficializado. Tanto nas prévias, como durante o evento, será proibida a utilização de som em trios elétricos ou veículos com caixas acústicas sem autorização para desfilar. O Comando do 3º Batalhão ficou com a obrigação de disponibilizar contingente suficiente para o policiamento ostensivo, garantindo dessa forma a ordem nos locais de folia.

Dentro das suas atribuições, o Corpo de Bombeiros Militar (CBM) fiscalizará todas as estruturas, exigindo a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), do engenheiro responsável pela montagem e instalações elétricas. Já para os locais fechados deverá ser exigido o Projeto de Segurança contra Incêndio e Pânico e o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB).

À Polícia Civil, o Ministério Público encaminhará ofício sugerindo plano operacional para as prévias e também carnaval, além da atuação de uma equipe de plantão para a lavração de Termos Circunstanciados de Ocorrências (TCO).

Já Vigilância Sanitária fiscalizará a comercialização de produtos alimentícios verificando, por exemplo, a manipulação e o acondicionamento, bem como será auxiliada pelos representantes dos blocos que se comprometeram a orientar os foliões a não consumirem bebidas em vasilhames de vidros. A desobediência deverá ser comunicada imediatamente à Polícia Militar para que adote as medidas cabíveis. Também em parceria com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Obras terá como conferir o cadastro completo dos ambulantes autorizados a vender seus produtos.

Foi definido que para o acontecimento, a Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) deverá cuidar da interdição de seis ruas, assegurando também a normalidade do fluxo de veículos com vias alternativas de escoamento.

“O Ministério Público reuniu todos os segmentos para que cada assuma sua responsabilidade e garanta direitos e deveres. Manteremos a vigilância em função do cumprimento do TAC e queremos, na verdade, que o evento ocorra dentro da legalidade e com segurança. Caso alguém descumpra as obrigações assumidas, aplicaremos a punição”, ressalta o promotor de Justiça, Saulo Ventura.

Em caso de descumprimento das obrigações assumidas por qualquer signatário será aplicada a multa de R$ 5 mil com valor revertido para o Fundo Municipal de Proteção dos Direitos do Consumidor.

Em todo o País, milhões de crianças e adolescentes abandonam as escolas para trabalhar nas ruas, onde ficam totalmente vulneráveis, desprotegidas e expostas a violência, exploração sexual e, até mesmo, correm risco de vida. Durante o Carnaval, esta situação pode se agravar ainda mais.

Texto de Renata Bello

Para combater esses malefícios, o Governo de Alagoas por meio da Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social (Seades), com apoio do Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção ao Adolescente Trabalhador (Fetipat/AL) vai promover uma campanha de conscientização durante as festividades do carnaval nos 31 municípios que possuem Ações Estratégias do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (AEPETI). 

Durante o Carnaval serão distribuídos panfletos e fixados outdoors na capital e no interior com objetivo conscientizar e chamar a atenção da sociedade para este problema. Além disso, a campanha tem como foco divulgar o canal de denúncias, o Disque 100. A ligação é gratuita e pode ser feita de qualquer município. O atendimento funciona 24 horas, todos os dias da semana, com garantia de sigilo das informações e de quem faz a denúncia.

Segundo informações da Rede Peteca, projeto que visa à promoção dos direitos da criança e do adolescente e a erradicação do trabalho infantil no País a partir da comunicação, em 2016, o Departamento de Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos recebeu mais de 13.000 denúncias relacionadas a crianças e adolescentes durante o período de Carnaval, em todo o País.

A superintendente de Assistência Social, Elis Correia, explica que as ocorrências de trabalho infantis mais comuns durante este período são a venda de alimentos e bebidas, a vigilância de veículos e o carregamento de bagagem. “Se você compra algo de uma criança que trabalha na rua está ajudando a promover o trabalho infantil. Criança tem que brincar, se divertir, e ter uma só responsabilidade, que é estudar”, alerta.

“É importante lembrar que o Estatuto da Criança e do Adolescente proíbe o trabalho de crianças e adolescentes com menos de 14 anos e que, a partir dessa idade, elas podem trabalhar apenas na condição de aprendizes”, completou.

Em Alagoas, os municípios de Água Branca, Arapiraca, Canapi, Carneiros, Coruripe, Craíbas, Delmiro Gouveia, Estrela de Alagoas, Feira Grande, Girau do Ponciano, Igaci, Inhapi, Junqueiro, Maceió, Major Isidoro, Marechal Deodoro, Mata Grande, Olho D’Água das Flores, Olivença, Palmeira dos Índios, Pão de Açúcar, Penedo, Piranhas, Poço das Trincheiras, Santana do Ipanema, São José da Tapera, São Sebastião, Senador Rui Palmeira, Taquarana, Traipu e União dos Palmares, integram as ações estratégicas.

AEPETI

As Ações Estratégias do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (AEPETI) integram o Sistema Único de Assistência Social (Suas), que articula esforços intersetoriais e dos entes federados para a identificação e atendimento dos casos de trabalho infantil. Desde 2014, com a implementação do redesenho do PETI, passou a executar ações estratégicas estruturadas em cinco eixos: informação e mobilização, identificação, proteção, defesa e responsabilização e monitoramento para acelerar a erradicação do trabalho infantil no Brasil.

Avanços

Segundo o Mapa do Trabalho Infantil em Alagoas há 30.832 crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil. O número aponta que o Estado teve a segunda maior redução verificada em todo o Brasil comparando o ano de 2015 a 2004, quando havia 105.140 meninos e meninas trabalhando de forma exploratória.

Ainda de acordo com o levantamento, Alagoas é o Estado do Nordeste com menor índice de crianças e adolescentes ocupados com algum tipo de trabalho e o 5º menor do Brasil. Uma das fontes utilizadas é a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2015, versão mais recente. A ela, se combina a pesquisa O Trabalho Infantil nos Principais Grupamentos de Atividades Econômicas do Brasil, elaborada pelo Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (FNPETI

Em Cidades
Primeiro Momento © 2013 - 2018 Todos os direitos reservados.